sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Que é uma Coisa? O último Patamar : Martins Heidegger; Fernando Brites

2347
Ed. 1992

Através de uma análise pormenorizada da parte central da Crítica da Razão Pura de Kant, Heidegger tenta pensar o sentido e os limites de uma certa forma de determinar a coisa.
Ao mesmo tempo,procura mostrar-nos com em Kant, a determinação da essência da coisa nos abre, para além da subjetividade do sujeito e da objetividade do objeto, ao domínio da verdade do Ser.

2350
Ed. Textiverso, 2012
-
«Um dos poucos sobreviventes da saga de trinta e oito foi o padre pregador, que disse o sermão do Judas e que, ao ser contactado pela equipa, pouco pôde adiantar, a não ser as lágrimas, que lhe jorravam da cara:
- Não me digam que tencionam representar de novo o "Enterro do Bacalhau"?
- Tencionamos, sim! Pelo menos é essa a nossa ideia, se conseguirmos reunir os textos completos!
- Eu tenho a certeza que irão conseguir! Representar o "Enterro do Bacalhau" é único, é sublime! É alcançar o último patamar da cultura popular!»
in contracapa do livro

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Livros de Rita Ferro, Luís Vieira da Mota, Fernanda de Castro (70 anos de Poesia), Eugenio Kontale

 2336
70 anos de poesia
Fernanda de Castro,
Fund Eng António de Almeida, 1989
-
2337
Poesia Reunida
João Luís Barreto Guimarães
Ed. Quetzal, 2011
-
2338
Desculpe lá, Mãe
Rita Ferro e Marta Gautier
Círc. Leitores, 1998
-
O Vento e a Lua
Rita Ferro
Ed. Contexto, 1992
-
(Livros comprados em alfarrabista após a vinda de Rita Ferro a Leiria
fazer a apresentação do seu livro António Ferro- Um Homem por Amar, 2016)
-
2340
O Banqueiro Anarquista/A Alma do Homem sob a Égide do Socialismo
Fernando Pessoa/Oscar Wilde
Ed. Guerra e Paz, 2016
-
2341
Diário de Alba
Luís Vieira da Mota
e Mireia Oncins
Ed. Textiverso, 2016

2335

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Rita Ferro em "António Ferro - Um Homem por Amar"

2322

Rita Ferro nasce um ano depois de António Ferro morrer. Todavia, a imagem que lhe sobrevém quando o evoca, gerada por tudo o que foi ouvindo e conjeturando ao longo de décadas, dentro e fora da família, bastaria para que alguém na sua circunstância - neta, romancista e utilizadora privilegiada do espólio familiar - se sentisse mais do que tentada a concorrer com a sua própria ideia do Avô, acrescentando outro frescor e outra profundidade às versões com que a academia, a edição e a imprensa, aplicadamente, o vêm reduzindo, perdendo da vista o que poderia conferir-lhes outro equilíbrio:
a perspetiva do seu lado mais íntimo e humano.
Bem-humorado, carinhoso, imprevisível e indiscreto - mas nunca inocente - este livro, cujos anacronismos são deliberados, e que continua o que Retrato de Uma Família já começara, é uma recriação pessoalíssima composta de uma série de frescos baseados em factos verídicos, com uma abordagem totalmente inesperada, oferecendo ainda, no final, um lote de correspondência inédita.

António Ferro - Um Homem por Amar lança uma luz diferente sobre o caráter deste homem controverso e extraordinário que marcou o século XX português.
(in contracapa do livro)


2323


 2324





terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Revolta na Stephens - Romance Histórico

2321
A Revolta na Stephens
Fernando Luz
Romance Histórico
Ed. Textiverso, 2016

Em 1827 os vidreiros da fábrica de vidros da Marinha Grande estavam em guerra. Não aceitavam a decisão do Estado de não querer receber a fábrica conforme fora determinado em testamento por Diogo Stephens, antes pretendendo dá-la de arrendamento a particulares. Iam dar início a formas de luta pelos seus direitos e pelos destinos da fábrica, muitos anos antes de na Marinha Grande ou em qualquer lugar de Portugal outros operários iniciarem formas de luta semelhantes. Um de entre eles, o ajudante de cristalaria Vicente de Sousa, luta também pela mulher da sua vida.