quinta-feira, 24 de julho de 2014

História do Fado de Pinto de Carvalho (Tinop)

2050
Publicado em 1984

Recuperando textos esquecidos da etnografia portuguesa ou propondo obras inéditas de uma nova geração de antropólogos, a colecção Portugal de Perto pretende fornecer aos estudiosos e ao grande público os instrumentos adequados à (re)descoberta da nossa identidade como povo.

A presente História do Fado, de Pinto de Carvalho (Tinop), constitui não só o mas importante texto até hoje elaborado sobre as origens e o desenvolvimento do Fado, como também um saborosíssimo painel da vida de Lisboa na segunda metade do século XIX.

na capa:
José Malhoa, O Fado (óleo, 1910)
Museu da cidade, Lisboa.
-
José Pinto Ribeiro de Carvalho (Tinop) nasceu em Lisboa em 1858 e na mesma cidade faleceu em 1930.
Além da presente História do fado (1903), escreveu a obra em dois tomos Lisboa de Outros Tempos (1898 e 1899). A sua vasta colaboração na imprensa da época (nomeadamente Portugal-Brasil) foi posteriormente reunida em Lisboa de Outrora.
-
Este livro constitui uma excelente fonte de consulta aquando do meu livro "Falando de Acácio de Paiva", ed. Folheto, 2013, para poder abordar a questão do "Fado Liró" da autoria de Acácio de Paiva e com posteriores versões musicadas quer em Portugal quer no Brasil.
-
Consultei particularmente:
Hilário - p 229
Leiria - p 253 (Negro melro)
Maria Cachucha (p 254
Ponha aqui o seu pezinho - p. 255
Banzé - p 277
Trindade Coelho - p 225
Glosar o mote - p 191
Fado Liró - p. 224

2 comentários:

Graça Pires disse...

Obrigada pelas suas palavras. Este seu blog é muito interessante pela informação que fornece. No entanto vou ficar à espera que retome "Com poesia no olhar".
Um abraço.

as-nunes disse...

Graça Pires. É sempre com muito prazer que a "vejo" por estes lados. Agradeço-lhe muito as visitas e, particularmente, as palavras que me vai endereçando, sempre muito motivadoras.
Quanto ao "Com poesia no olhar" é um projeto que eu gostaria de poder levar avante. Com as minhas limitações literárias, obviamente, mas com a decisão de me apresentar como sou e não como gostaria que os outros me vissem...

Um abraço de muita estima e consideração.